quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Remédios


Não gosto disso. Não quero isso. Não compreendo e não aceito que o ser humano precise de remédios para viver.
O universo é imenso. A vida é inexplicavelmente diferente do que pensamos que ela é. Não faz nenhum sentido sermos parte de algo tão grande e, ao mesmo tempo, sermos assim tão fisicamente frágeis. A mente e a alma são tão poderosas, mas parecem não caber em uma massa física tão fraca e frágil quando o corpo humano.
O corpo, a mente, a alma, o espírito, a razão, a emoção, o instinto e a cultura do ser humano, parecem jamais estar em harmonia entre si. E a culpa total é da própria humanidade, que opta sempre pela estupidez e pela mediocridade.
Doenças são emoções, são reações psicossomáticas. A Medicina trabalha no desenvolvimento da cura, e não está errada, pois é o seu papel. Mas prefiro ir na causa, do que ficar apenas na consequência.
Uma ação gera infinitas reações. Essa é uma das leis da vida, e da Física. Evite a causa e não sofrerá a consequência. Talvez a cura do câncer esteja na Física e não na Medicina.
O pensamento gera emoção e energia. Emoção gera energia e sensação. Sensação e energia explicam-se pela Física, logo, a emoção também poderia ser. A emoção pode ser negativa ou positiva. A alegria move um tipo de partícula, assim como o medo. Essas partículas movem outras, assim sucessivamente, transcendendo o corpo e ultrapassando limites previstos pela ciência padrão.
Logo, eu não estaria errado em dizer que, não é uma metáfora quando afirmo que a depressão não está apenas dentro de nós, e sim também no ar em que respiramos.
Emoções, doenças e a Física, são mais íntimos e intrínsecos do que você imagina.
Eu não aceito o simples fato de que o nosso corpo precise ou dependa de remédios para ser forte ou para se curar.
A mente cura, o corpo simplesmente deveria obedecer.

Nenhum comentário: